Melhores

Grid List

Passava da meia-noite no bairro Chácaras Marco. Era uma noite tranquila em Barueri até o momento em que um carro em alta velocidade avançou pela rotatória em direção à viatura da Guarda Civil Municipal (GCM), que estava estacionada em frente a um comércio do bairro. A agente Erinalda Elias Marinho afirmou que com toda aquela movimentação, a princípio desconfiou da atitude do casal que estava no carro, e que já havia mencionado ao seu parceiro Ezequiel Gaspar Júnior que eles teriam de abordar o veículo. Entretanto, o veículo veio até eles, pois o casal necessitava muito de ajuda. 

 

Saindo do carro desesperado, o homem pediu aos guardas para que salvassem sua filha, uma bebê de apenas sete dias, que estava nos braços da mãe, sem respirar. Nervosos e sem saber como agir, o casal entregou a criança à guarda, que teve segundos para avaliar o caso e iniciar os procedimentos de desengasgo, ensinados em treinamento periódico oferecido para a equipe da GCM da cidade, ligada à Secretaria de Segurança Urbana e Defesa Social (SSUDS).  

 

Erinalda conta que já na terceira manobra o leite saiu da boca da criança, que deu um suspiro e voltou a respirar. O alívio foi geral, tanto para a equipe quanto para os pais, que estavam em estado de choque. Após o susto, a viatura acompanhou a família ao Hospital Municipal de Barueri (HMB) para verificar a saúde da bebê, que chorava copiosamente. “Nunca um choro de uma criança me deixou tão feliz”, disse a agente. 

 

O treinamento 

Segundo dados do Ministério da Saúde, desde 2020, 923 crianças com até quatro anos morreram engasgadas no Brasil, mortes estas que poderiam ser evitadas caso elas tivessem sido socorridas a tempo. De acordo com Reginaldo Silva, tenente da reserva do Corpo de Bombeiros, que realiza o treinamento dos agentes da GCM de Barueri, todos os pais deveriam saber realizar manobras quando a criança se engasga, mas infelizmente não é isso que acontece.  

 

O engasgo em bebês é muito mais comum do que podemos imaginar. Acontece na hora da mamada, quando, num dado momento, a criança parece não conseguir mais respirar. O tenente diz que quando isso ocorre, o primeiro passo é ficar calmo e entrar em contato com o serviço de urgência e emergência (4198-3205 ou 153/ urgência Saúde 192). Enquanto o atendimento profissional não chega, o ideal é iniciar a manobra para desengasgar a criança, seguindo esses passos: 

  • Segure a cabeça do bebê, apoiando a mão em seu pescoço e um dedo em cada bochecha; 

  • Apoie o bebê de barriga para baixo (de bruços), no antebraço. A cabeça da criança deve ficar apoiada na sua mão e inclinada para baixo em relação ao resto do corpo (é possível realizar a manobra tanto em pé quanto sentado); 

  • Posicione sua mão livre entre as escápulas (osso plano e triangular localizado na parte superior das costas) do bebê e dê cinco batidas na região. Cuidado com a força utilizada, ela deve ser moderada para não machucar a criança;  

  • Vire o bebê de barriga para cima e faça cinco compressões rápidas no meio do peito, logo abaixo da altura dos mamilos, utilizando dois dedos da sua mão;  

  • Se o bebê, em algum momento, vomitar, vire-o de lado para que ele não se afogue; 

  • Se a criança voltar a chorar, a respirar e se a sua cor voltar ao normal, ela desengasgou e é preciso procurar atendimento médico para avaliação;  

  • Caso ela permaneça engasgada, mas continuar acordada e tentando respirar, será preciso repetir toda a manobra de desengasgo novamente; 

  • Se o bebê estiver inconsciente, é preciso iniciar as manobras de reanimação, desta forma se torna ainda mais necessário o atendimento profissional. 

Na última sexta-feira (12), a Guarda Civil Municipal, por intermédio da ROMU (Ronda Ostensiva Municipal), realizou mais uma prisão em flagrante durante um patrulhamento na Rua Santo André, perto de uma viela. 

Por volta das 19h40, a equipe cumpria seu trabalho quando avistou um indivíduo suspeito que portava uma sacola. O adolescente, de 17 (dezessete) anos, tentou fugir das autoridades e jogou sua sacola em um telhado que estava ao seu alcance. 

Na ocasião, os guardas perseguiram e abordaram o suspeito, que já possui passagem por tráfico de drogas e, posteriormente, confessou ainda vender entorpecentes no local. 

As autoridades resgataram a sacola e apreenderam 199 (cento e noventa e nove) pinos de cocaína, 99 (noventa e nove) trouxinhas de maconha e 131 (cento e trinta e uma) pedras de crack. Ressalta-se que a ocorrência segue em andamento na Delegacia de Jandira.

Nesta semana, a Ronda Ostensiva Municipal da GCM efetuou a apreensão de um indivíduo durante um patrulhamento a pé no Cemitério Municipal, situado na Rua Urano - Jardim Lindomar. 

Ao perceber a presença da ROMU, o suspeito tentou evadir-se das autoridades. Diante da situação, os guardas municipais conseguiram alcançar o adolescente de 15 (quinze) anos, que confessou estar envolvido com a venda de drogas.

Após a ação da GCM, foram confiscadas 63 (sessenta e três) porções de cocaína, 41 (quarenta e uma) trouxinhas de maconha, 137 (cento e trinta e sete) pedras de crack e R$ 18,00 (dezoito reais) em espécie. Ressalta-se que a ocorrência segue em andamento sob a responsabilidade da Delegacia de Jandira. 

A decisão da Justiça de São Paulo em negar a prisão temporária de Fernando Sastre de Andrade Filho, condutor do Porsche envolvido em um acidente fatal, mais uma vez levanta questionamentos sobre a imparcialidade e a eficácia do sistema judicial brasileiro.

O acidente, que resultou na morte de um motorista de aplicativo e deixou um passageiro ferido, tem sido tratado como uma "fatalidade" pela defesa do condutor do veículo de luxo. No entanto, a recusa em decretar a prisão temporária de Fernando Sastre de Andrade Filho parece desconsiderar a gravidade dos fatos e a necessidade de responsabilização diante das evidências apresentadas.

Alegações de que o condutor não fugiu do local do crime, contradizendo as informações das autoridades, levantam suspeitas sobre a transparência do processo judicial. A demora em prestar depoimento às autoridades e a alegação de "choque" como justificativa para tal atraso também são aspectos que geram questionamentos sobre a conduta do suspeito e a seriedade das investigações.

Além disso, a tentativa da defesa de Fernando Sastre de Andrade Filho de retratá-lo como uma vítima, citando um suposto "receio de linchamento virtual", parece mais uma estratégia para desviar o foco da responsabilidade do que uma preocupação genuína com a segurança do cliente.

A falta de transparência e a aparente leniência da Justiça diante de casos envolvendo indivíduos privilegiados levantam sérias questões sobre a igualdade perante a lei no Brasil. Enquanto os mais vulneráveis enfrentam duras penas por crimes muitas vezes menos graves, os privilegiados parecem desfrutar de um tratamento diferenciado, minando a confiança da população no sistema judicial.

Diante disso, é fundamental que as autoridades responsáveis conduzam uma investigação minuciosa e imparcial, garantindo que todas as partes envolvidas sejam responsabilizadas de acordo com a gravidade dos fatos. A justiça deve ser cega e não se curvar a privilégios ou influências, pois somente assim poderá ser verdadeiramente justa e eficaz.

No último fim de semana, a viatura da ROMU (Ronda Ostensiva Municipal) da Guarda Civil Municipal de Jandira estava em patrulhamento na Rua Amaralina, na Vila São Nicolau, quando visualizou um indivíduo em atitude suspeita em um local popularmente conhecido pelo comércio de drogas. 

O suspeito, de 20 anos, confessou o crime e cooperou indicando onde estavam escondidos os demais entorpecentes. A ação eficiente da GCM resultou na apreensão de 52 (cinquenta e duas) trouxinhas de maconha, 07 (sete) pedras de crack, 51 (cinquenta e um) pinos de cocaína e a quantia de R$ 32,00 (trinta e dois reais) em pecúnia. 

A ocorrência está em andamento e sendo conduzida pela Delegacia de Jandira, demonstrando o compromisso e a eficiência das forças de segurança em combater o tráfico de drogas e garantir a segurança de toda a população.

Filho 04 de Bolsonaro vira réu por lavagem de dinheiro e alega: Mudei para SC porque aqui o povo é honesto

Policial

Ah, meus amigos, segura o forninho que o barraco tá armado! O Jair Renan Bolsonaro, conhecido como o "filho 04" do ex-presidente Jair Bolsonaro, acabou de entrar para o time dos réus! É isso mesmo, o rapaz está no olho do furacão e vai ter que dar explicações por uma bela lista de trapalhadas, incluindo falsidade ideológica, lavagem de dinheiro e uso de documento falso. É um enredo desses que a gente só vê em filme de suspense!

Parece que o Jair Renan se meteu em umas artimanhas pra conseguir uns empréstimos, viu? O pessoal da polícia desconfia que ele deu uma bela maquiada nos documentos da empresa RB Eventos e Mídia pra conseguir uma graninha camarada em 2022. E olha que não foi só uma vez, não! Em 2023, ele conseguiu mais uns empréstimos, somando uma quantia boa, e pra fechar com chave de ouro, ainda deu um belo calote no banco. Quem nunca, né?

Mas não acaba por aí, não, meus queridos! O instrutor de tiro Maciel Alves de Carvalho também está nessa confusão toda. Os dois foram até alvos de uma Operação Nexum, que é tipo uma força-tarefa pra pegar os malandros suspeitos de estelionato, falsificação de documentos e outras trambicagens. É tanta confusão que nem parece real!

E agora vem o bafafá mais recente! O relatório da investigação foi parar nas mãos da Justiça em fevereiro desse ano, e o Jair Renan e o parceiro de peripécias foram indiciados pela Polícia Civil. A denúncia veio direto do MPDFT (Ministério Público do Distrito Federal e Territórios), e agora o processo tá lá na 5ª Vara Criminal de Brasília. E ó, fica a dica: tudo isso tá mais guardado que segredo de novela!

Olha só o que tá dando o que falar: o parceiro do filho '04' do ex-presidente Bolsonaro, o tal dublê de atirador Maciel Carvalho, está na berlinda de novo! E não é a primeira vez, não, minha gente! Esse rapaz tem uma lista de "feitos" digna de um filme de ação: falsificação de documentos, estelionato, organização criminosa, peculato, lavagem de dinheiro, corrupção ativa e até disparo de arma de fogo. Parece que ele queria competir com os vilões dos filmes de Hollywood!

E pra fechar com chave de ouro, a defesa do Jair Renan soltou uma nota falando em "golpe" contra ele. É mole? Segundo o advogado, tem alguém por aí tramando contra o coitado do rapaz, mas ainda não soltaram o nome do "amigo da onça". Só nos resta esperar pra ver se essa história vai ter um final feliz ou se vai virar uma novela daquelas que a gente não quer ver o fim.

Ah, e enquanto tudo isso acontece, o Jair Renan resolveu virar "sulista de coração" e até se aventurar na política! É isso mesmo, ele anunciou sua pré-candidatura a vereador por Balneário Camboriú e tá lá, se filiando ao PL, tudo com direito a postagem pomposa nas redes sociais. Parece que o jovem quer seguir os passos dos irmãos, Flávio e Carlos Bolsonaro, que já fizeram fama na política do Rio de Janeiro.

E não poderia faltar uma alfinetada nos petistas, né? O Jair Renan criticou até o vereador de Balneário Camboriú do PT, chamando-o de "vereadorzinho da esquerda" e mandando a turma "ir pra Venezuela".

A Polícia Militar do Estado de São Paulo prendeu, entre a última terça-feira (12) e esta sexta-feira (15), 298 detentos beneficiados com a saída temporária descumprindo as medidas judiciais. Desses, 31 deles foram flagrados cometendo novos crimes. Todos foram reconduzidos ao sistema prisional.

De acordo com o levantamento do Centro de Operações da PM (Copom), 128 detentos foram presos na capital paulista e na Grande São Paulo. Os demais foram detidos no entorno de Ribeirão Preto (3), Sorocaba (26), Campinas (23) e outras regiões do estado.

A primeira saída temporária do ano começou na terça-feira (12), com término na próxima segunda-feira (18). Só no primeiro dia, 78 detentos foram reconduzidos ao presídio por descumprir as medidas impostas pela Justiça para a obtenção do benefício. O detento precisa cumprir uma série de requisitos, como não frequentar bares, permanecer na cidade indicada à Justiça e ficar em casa entre as 20h e as 6h do dia seguinte.

Em São Paulo, desde o ano passado, todo detento flagrado violando as regras é reconduzido ao estabelecimento prisional, conforme prevê uma portaria da Secretaria da Segurança Pública (SSP) com o aceite da Secretaria de Administração Penitenciária.

Além disso, o acordo de cooperação entre a SSP e o Tribunal de Justiça de São Paulo permite que os policiais tenham acesso aos processos dos réus que cumprem a pena fora das prisões. Dessa forma, é possível verificar durante a abordagem se as regras da saída temporária estão sendo cumpridas.

Uma resolução publicada nesta semana no Diário Oficial do Estado estabeleceu que os sentenciados identificados em descumprimento das condições impostas “deverão ser conduzidos a uma unidade do Instituto Médico Legal da Capital para realização do exame de corpo de delito”. Após o exame pericial, o policial responsável pela condução deverá levar os sentenciados aos Centros de Detenção Provisória ou para a Penitenciária Feminina da capital.

Beatriz Lucato/Secom-PMB 

Policial

É fato que a tecnologia multiplica a capacidade humana de trabalho, a exemplo das 608 câmeras de monitoramento espalhadas por diferentes pontos de Barueri, que aumentam sobremaneira a visão da equipe de segurança da cidade. Sendo assim, a Prefeitura de Barueri, por meio da Secretaria de Segurança Urbana e Defesa Social (SSUDS), inova ainda mais com a compra de 170 novos tablets para uso na frota da Guarda Civil Municipal (GCM) e da Defesa Civil. A aquisição dos equipamentos de alta qualidade e tecnologia, que custou R$ 900 mil, foi possível graças a uma emenda parlamentar. 

A implantação da operação envolve todos os agentes de segurança da cidade e gera um verdadeiro upgrade na forma de se registrar uma ocorrência, verificar um RG ou uma CNH e, ainda, resolver mais rapidamente um caso. De acordo com Francisco Cangerana, secretário adjunto da SSUDS, esse reforço tecnológico dos equipamentos para a Guarda está sendo fundamental para a evolução dos serviços.  

“Sair do papel para a tecnologia digital não significa só mudar do papel para uma tela. Isso significa que teremos todas essas informações tabuladas num banco de dados e podemos tirar de lá importantes estatísticas, como: quantos atendimentos foram feitos, como foram esses atendimentos, quanto tempo duraram...”, explica. E complementa, dizendo que todas essas informações servem, principalmente, para melhorar continuamente a gestão de tarefas e o trabalho como um todo. 

Para o cidadão, a utilização dos tablets traz também a possibilidade de obter seu boletim com toda comodidade e facilidade porque, ao invés de de um simples protocolo do serviço, ele terá um link de seu atendimento em um arquivo digital com os dados colhidos. Toda essa operação já está 100% implantada em Barueri, faltando apenas aguardar a entrega dos chips de dados, já comprados, para que a conexão seja realizada a contento, embora a cidade já conte com o wi-fi aberto “Cidade Inteligente”. “Estamos terminando os processos necessários para que a operação comece efetivamente, no máximo até o mês de abril deste ano”, revela Cangerana. 

Sistemas utilizados pela Segurança de Barueri 

A SSUDS de Barueri trabalha em cooperação com as polícias Civil e Militar, realizando trabalhos de proteção preventiva e também ostensiva, de dia e à noite nas ruas. Para combater melhor o crime e zelar pela segurança, a cidade firmou convênio com o Estado de São Paulo e com o Governo Federal para a utilização de três sistemas diferentes, que visam compartilhar informações pertinentes à segurança pública quando logados. São eles: 

 

Cortex 
Convênio firmado entre a Prefeitura e o Ministério da Justiça do Governo Federal que informa, entre outros fatos, quando algum carro roubado em outro Estado adentra o município. Importante ressaltar que Barueri foi pioneira na adoção desse sistema, antes mesmo do Governo Estadual.  

 

Detecta 
Celebrado entre a Prefeitura e o Governo Estadual, como o próprio nome diz, detecta e compartilha informações de crimes cometidos em todo o Estado de São Paulo. Neste ano, ele será incrementado e mudará o nome para Muralha Paulista. 

 

Sinesp CAD (Central de Atendimento e Despacho) 
Convênio entre Prefeitura e Governo Federal, cujo terminal final é a computação embarcada (tablet na viatura). É um software que engloba a telefonia, passa pelo despacho da viatura (via rádio) e termina com o agente de campo, com seu periférico (tablet) no registro da ocorrência.  

 

Bem, vamos falar sobre duas figuras que estão sempre no centro das atenções: Lula e Bolsonaro. De um lado, temos o presidente Lula, que conseguiu se reerguer e voltar à cena política após ter todas as suas confusões judiciais anuladas, inclusive ganhando as eleições de 2022. Do outro, temos Bolsonaro, o ex-presidente que está no meio de um verdadeiro furacão de problemas, enfrentando investigações para todos os lados, especialmente lá no Supremo Tribunal Federal.

As histórias desses dois se cruzam em alguns pontos. Lembra do sítio de Atibaia, onde acusaram Lula de um monte de coisas? Pois é, todas essas acusações foram canceladas, e ele voltou com tudo para o jogo político. Já Bolsonaro, bom, continua no olho do furacão, enfrentando um monte de investigações. E olha, que no caso de Lula, a justiça não conseguiu provar que ele era o dono do tal sítio e nem do triplex. Já Bolsonaro é dono com escritura e tudo no seu nome.

E no meio de tudo isso, surge o ex-comandante do Exército, Freire Gomes, que resolveu abrir o jogo e contar para a Polícia Federal os detalhes de um plano maluco que queria bagunçar tudo por aqui, deixando claro que Bolsonaro planejou e tentou um golpe de estado.

Mas as confusões não param por aí! Tem também a história da reforma na casa do Bolsonaro em Angra dos Reis. Uma coisa meio suspeita, né? A reforma foi feita por um empreiteiro que, coincidentemente, ganhou um montão de contratos milionários depois de se aproximar da família do ex-presidente. Saca só, não foi uma reforminha não. A casa estava toda detonada, foi refeito todo telhado, pisos de cerâmica substituídos por porcelanato de luxo, portas, janelas e portões novos. Especialistas estimam um custo médio acima dos 500 mil reais.

Essas histórias todas mostram como a política brasileira é uma verdadeira loucura, né? A justiça precisa continuar fazendo seu trabalho direitinho, sem tirar nem pôr, para que possamos confiar nas nossas instituições e colocar ordem nesse caos todo.

E não podemos esquecer do dinheiro rolando solto por aí! Bolsonaro, mesmo ganhando uma grana preta, mais de R$ 17 milhões via PIX dos seus seguidores, ainda assim teria recebido uma reforma na sua "casinha" de praia em Angra, por conta desse empreiteiro que virou amigo da família. Parece que a coisa tá feia mesmo!

E olha só, o próprio Bolsonaro admitiu em um discurso que o tal empresário estava "pagando" tudo lá na reforma. E ainda fez questão de dizer, pasmem, que a casa dele não era o sítio de Atibaia do Lula. Ainda bem que inteligência não é o forte dessa turma, né? Foi por causa dessa declaração que os jornalistas Arthur Guimarães e Isadora Teixeira do Metrópoles foram investigar essa história.

Enquanto isso, Lula está lá, tentando botar ordem na casa. Mas Bolsonaro não facilita, não! Sempre está arrumando confusão com os ministros do STF e enfrentando um monte de acusações. Parece que é um cabo de guerra sem fim, até o STF decretar sua prisão.

Enfim, só nos resta assistir de camarote essa novela política que não tem fim. E que a justiça faça o seu papel, né? Afinal, não dá pra gente ficar na mão de políticos enrolados. Jair Bolsonaro sempre diz uma passagem bíblica, "E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará" João 8:32. Bom no caso do Jair, a verdade vai decretar sua reclusão por um longo tempo.

Na manhã do dia (01/03), policiais militares do 33º Batalhão de Polícia Militar Metropolitano estavam em patrulhamento pela Estrada do Pequiá, quando visualizaram um indivíduo pelo muro da escola E.E. Prof. Ricardo Antonio Pecchia que, ao perceber a presença policial, se abaixou.

O suspeito foi abordado e, durante a busca pessoal, foi localizada uma mochila contendo drogas e dinheiro. Indagado, o criminoso alegou que o valor era proveniente da venda dos entorpecentes.

Após pesquisa criminal, foi constatado que o indivíduo já havia sido preso pelos crimes de furto e receptação.

O criminoso foi encaminhado ao 1°Distrito Policial de Carapicuíba para providências de Polícia Judiciária e as drogas e dinheiro permaneceram apreendidos.

Foram apreendidos: 148 pedras de crack, 20 eppendorfs de crack, 18 invólucros de maconha, 16 eppendorfs de k9 e R$114,00,00.

No cenário político repleto de reviravoltas, uma bomba explodiu, sacudindo as estruturas do poder. O ex-comandante do Exército, outrora respeitado, lançou luz sobre os obscuros bastidores de um período conturbado, abrindo caminho para a justiça prevalecer.

A investigação revelou que o general Freire Gomes, antes enaltecido por sua integridade, foi insultado pelo general Braga Netto por sua recusa em participar de um golpe planejado em dezembro de 2022. Esse episódio foi apenas um dos muitos ensaios golpistas, incluindo tentativas em setembro e janeiro de 2023.

Em seu depoimento à Polícia Federal, Freire Gomes revelou uma série de acontecimentos que marcaram aquele período tumultuado. Destaque para as ordens diretas de Bolsonaro para que o Exército acolhesse os manifestantes golpistas, revelando sua clara postura antidemocrática.

As revelações não param por aí. Freire Gomes confirmou a existência de uma reunião na qual uma minuta do golpe foi apresentada aos comandantes militares na presença de Bolsonaro. Isso expõe o papel do ex-presidente Jair Bolsonaro na trama golpista e a conivência de altos escalões militares.

O depoimento do general Freire Gomes, que deveria responder a cerca de 80 perguntas, trouxe detalhes que resultaram em mais de 200 questionamentos.

Essas revelações representam um marco na busca pela verdade e pela justiça. Ao escancarar as portas das prisões para Bolsonaro e seus aliados, o General Freire Gomes dá um passo importante rumo à responsabilização pelos crimes cometidos contra a democracia.

Além disso, a revista VEJA publicou uma matéria com fotos das páginas do Diário do Golpe, do general Heleno. Documentos foram apreendidos em operação de busca e apreensão contra o general; e pasmem, o militar tentou esconder dinheiro nos bolsos.

Anotações apreendidas na casa da múmia paralítica, escritas, pasmem, com letras de mocinha do ensino médio em português e não em hieróglifos egípcios

Anotações apreendidas na casa da múmia paralítica, escritas, pasmem, com letras de mocinha do ensino médio em português e não em hieróglifos egípcios, para nossa sorte, traziam detalhes dos procedimentos autoritários que deveriam ser tomados após um golpe, como por exemplo a prisão de delegados da PF. Na visão deturbada e golpista de Heleno, era ele quem definiria o que seria 'legal' ou 'ilegal'. Sua ideia era dar essa incumbência à Advocacia-Geral da União (AGU), algo sem qualquer relação com a atividade de controlar a legalidade ou ilegalidade de decisões tomadas pelo poder Judiciário.

Imaginem, passamos perto de termos esses imbecis como ditadores. A nossa sorte é que são todos patéticos e covardes apesar de espertos.

Allan Barros, o rei da ostentação nas redes sociais, que acabou caindo nas garras da Polícia Federal! Antes de ser pego, o cara foi expulso da padaria Empório Bethaville em Barueri só porque tava lá de boa usando um notebook. Imagina só, nem pra deixar o empresário trabalhar em paz!

O Allan era daqueles que adorava postar foto com carrão de luxo e viagens chiquérrimas pra lugares paradisíacos como Maldivas e Paris. Ah, e não podia faltar as aventuras em motos aquáticas, né? Era vida boa que só vendo!

Mas aí veio a operação Fast da PF e botou o Allan na linha, dando uma pausa nesse showzinho todo. Pegaram o cara em Curitiba e agora tá todo mundo de olho nesse esquema de fraude milionária de criptomoedas que ele tá envolvido.

A defesa do Allan tá aí tentando salvar o rapaz, dizendo que ele e a empresa nunca foram pegos em treta com investidores. Mas olha, a PF acha que teve muita gente que se deu mal nesse rolo, uns 100 milhões de reais mal investidos, pelo que tão dizendo!

E olha que essa história não acaba por aí, não! Tem gente dizendo que teve até feirinha em Dubai pra lançar essa tal criptomoeda suspeita. E a defesa do Allan, claro, tá lá rebatendo tudo, falando que é papo furado da polícia e que a prisão dele foi exagero.

Enfim, vamos ver no que vai dar essa novela toda, mas a lição que fica é: cuidado com quem promete lucro fácil demais, viu? Às vezes, o que reluz no Instagram pode ser só um brilho de fachada, e a realidade pode ser bem mais escura.

 

 
L10 ADS