A confusão de Putin e OTAN abre portas para nova recessão global - L10 NOTÍCIAS

Foto: Alan Santos/PR

Colunistas
Ferramentas
Tipografia
  • Minuscula Pequena Media Grande Gigante
  • Padrao Helvetica Segoe Georgia Times
Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

A incerteza trazida pelas ações militares russas na Ucrânia está se expandindo para salas de reuniões corporativas e escritórios do governo. As sanções dos países ocidentais para a Rússia e entidades russas têm o potencial de afetar grandes corporações com operações na Ucrânia e na Rússia, além de levar a um aumento acentuado nos preços das commodities provenientes das áreas de conflito. A exclusão de bancos russos selecionados da SWIFT enquanto prejudica a Rússia ao bloquear suas importações e exportações, também está prejudicando alguns bancos europeus. A longo prazo, essas medidas podem levar ao aumento da inflação e à diminuição do crescimento econômico.

Os russos estão correndo para os caixas eletrônicos para sacar dinheiro. Os bancos estão vendendo um dólar por mais de 100 rublos. O pânico tem o potencial de lançar uma corrida bancária que pode desestabilizar o sistema comercial. O Banco Nacional da Rússia aumentou a taxa de juros, de 9,5% para 20% na tentativa de tornar o rublo mais atraente. Para aumentar a liquidez do mercado, preparam regras para obrigar os exportadores a converterem 80% de seus recursos cambiais. 

Mas essas sanções também afetarão a União Europeia e os bancos dos EUA. De acordo com o Bank for International Settlements, os bancos mais expostos à Rússia são da França e da Itália, com mais de 23 bilhões de dólares, seguidos da Áustria, com mais de 17 bilhões de dólares e dos Estados Unidos, com 14 bilhões de dólares. Alemanha e Holanda têm apenas cerca de 5 bilhões de dólares em exposição à Rússia, informa Bogdan Maioreanu,

A Rússia é o segundo maior exportador de petróleo do mundo com mais de 10% da produção. Os mercados estão olhando com medo para o conflito e o potencial de que a oferta de petróleo, que já está esticada, se torne ainda mais escassa. De acordo com os delegados da OPEP Plus, o prêmio de risco de guerra sobre o preço do petróleo é de 10 a 15 dólares. Assim, é possível ver os preços ainda mais baixos nos próximos meses se o conflito for resolvido. 

 

Mas, por enquanto, a dissociação SWIFT dos bancos russos criará problemas para os comerciantes de petróleo comprarem ações. A reunião da OPEP+ desta semana provavelmente não decidirá um aumento na produção devido a restrições de produção. Os preços do gás natural subiram mais de 50% no dia da invasão, com medo de que a Rússia interrompa as entregas, mas relatórios adicionais de que as entregas de gás não são afetadas pelo conflito, fizeram os preços caírem.

Os preços do trigo também foram pressionados pela invasão. A Ucrânia e a Rússia juntas representam cerca de 29% do mercado global de exportação de trigo. Os mercados estão muito atentos ao conflito tentando adivinhar como a oferta será afetada.

Sanções atingem a indústria de chips eletrônicos. AMD, NVidia e Taiwan Semiconductor Manufacturing Company já anunciaram que vão parar de vender microchips para a Rússia. A extensão das vendas interrompidas ainda não está clara. As novas restrições aplicam-se à exportação de novos chips destinados especificamente a fins militares ou de dupla utilização, tanto civis como militares.

No dia da invasão, os preços do ouro aumentaram acentuadamente para mais de 1970 dólares por onça, sinalizando uma atitude de risco no mercado apenas para diminuir para níveis vistos antes do ataque sob a pressão de vendedores que movimentaram seu dinheiro para proteger outros ativos. A Rússia também é um grande produtor de ouro com 9% da produção mundial. 

Mas, além do ouro, a Rússia é o maior produtor de paládio, com 45% da produção mundial. O paládio é usado em conversores catalíticos para reduzir a poluição. Portanto, esse conflito tem o potencial de criar ventos contrários para a indústria automotiva.

O medo das sanções dos países ocidentais começou a impactar empresas russas listadas nos Estados Unidos como a gigante russa de internet Yandex NV (YNDX) que perdeu quase metade de seu valor, enquanto outras empresas com operações na Rússia como a provedora de serviços de pagamento QIWI plc ( QIWI) e a plataforma de comércio eletrônico Ozon Holdings (OZON) também caíram com dois dígitos. A Gazprom (OGZPY) perdeu 40% do preço de suas ações.

O conflito na Ucrânia não é apenas sobre os preços das ações. Multinacionais fecharam ou reduziram suas atividades na Ucrânia. Para proteger os trabalhadores, a Carlsberg, uma das maiores cervejarias do mundo, disse que suspendeu as operações em duas fábricas no leste da Ucrânia e em Kiev, para proteger os trabalhadores. A ArcelorMittal, que opera uma das maiores siderúrgicas da Europa na região central da Ucrânia, manteve a produção no "mínimo técnico" e parou de trabalhar em suas minas subterrâneas. A empresa emprega 29.000 trabalhadores e contratados na Ucrânia. A FedEx e a UPS suspenderam as remessas para a Ucrânia até novo aviso e estenderam essa proibição para a Rússia no fim de semana.

As sanções podem ter um impacto também nas empresas europeias que estão expostas a negócios na região. As empresas petrolíferas Shell, Total, BP, Equinor e OMV têm diferentes graus de exposição ou participação às empresas russas. 

A BP já anunciou que renunciará a sua participação de 20% na Rosneft, recebendo um golpe financeiro de até US$ 25 bilhões para apoiar as sanções da Rússia. As mineradoras listadas em Londres Polymetal (POLY.L) e Evraz (EVR.L) também foram afetadas. A Renault tem 6% de sua receita na propriedade da AvtoVAZ, uma empresa de fabricação de automóveis, a Alstom tem uma participação de 20% na fabricante russa de trilhos Transma holdings. Há também empresas que faturam mais de 20% nos mercados russos. Talvez a mais conhecida seja a Nokian, fabricante de pneus.

 

Anúncio 

Clique e peça a sua!

 

Foto: Alan Santos/PR